terça-feira, 5 de abril de 2011

Luz



A luz deste dia é tão
ave
brisa
dança
sorriso
que o meu corpo deseja ser azul.

O corpo deste dia é tão
rio
flor
fruto
folha
que a minha luz deseja ser cor.

PM

4 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Que lindo, Passi!
Gostei muito de passar por aqui.
Beijinhos

Eurico disse...

Suave, delicada, belíssima!
Essa é a verdadeira poesia!

BiaMara disse...

Vou descendo no elevador do seu blog e fascinando-me com seus poemas...


Tão singelos mas tão belos..

suas palavras são uma suave brisa, intensas e frágeis...

Anónimo disse...

BELO !
O meu contributo:
ÁGUA DORMIDA

O Remo,
andorinha da água.

E o meu corpo
sobre o teu
avançava.

Andorinha
na alma.

Livro de GAZÉIS, Carlos Nejar.