segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Atravessar o medo


Candeeiro demente


"Em cada milímetro deste chão está o último instante da minha vida. Posso contemplá-lo a perder de vista. É o motivo por que me transportam sempre de noite. Preservam-me. Não me incomoda. Agora mesmo é de noite e há bastante disso. É de noite sempre que não me encontro quieto. Deixei de estar com o medo porque ele me desertou. Transformou-se num território exterior. Enorme falta de solidariedade: não tenho onde me agarrar, o que pode ser fatal. O chão, a estrada, a savana, o país: o medo é um mapa e a obrigação dele. Não sei quantos dias tem de largura. Estamos a atravessá-lo e é de noite. Atravessar a noite é tudo o que tenho."


Pedro Rosa Mendes
Baía dos Tigres
Publicações Dom Quixote

4 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Para começar o ano, não é lá muito animador...

Petra Maré disse...

Tem razão Carlos, mas foi o que veio, com a animação que neste momento me anima....

João Vasco disse...

Bonita imagem

Maria, Simplesmente disse...

Já várias vezes atravessei o medo e a última com um sorriso.
De todas as vezes que o atravessei não me venceu, mas faltam algumas provas para poder dizer: Não tenho medo.

Nestas que faltam eu sei que terei medo.

Um bom Ano onde a realidade possa dar a mão à felicidade.

Bom fim de semana