domingo, 14 de fevereiro de 2010

A sombra e a alma


Não te amo como se fosses rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
amo-te secretamente, entre a sombra e a alma.

Amo-te como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças ao teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascender da terra.

Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde,
amo-te directamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

Se não assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Pablo Neruda

6 comentários:

.Leonardo B. disse...

[perfeita imagem, perfeito neruda; per-feito]

um imenso abraço, Petra

Leonardo B.

Petra Maré disse...

Obrigada Leonardo.
Já o visitei, em silêncio.
Retribuo o abraço.
P.M.

Anónimo disse...

Realmente bonito (felizardo, hem....?)

Bj.
C(EN)

Petra Maré disse...

Cris, sempre amiga e simpática...
BJ.
Do

AugustoMaio disse...

Além do poema, grande imagem.

Petra Maré disse...

Caro Augusto, só hoje o leio.
Fevereiro infernal. Imenso trabalho. Net dos anos 60 do sec. XX.
Espero que estar de volta à normalidade, dentro em breve.
A foto é bela, também me pareceu um achado...